Figurinhas Eucalol

Figurinhas do sabonete Eucalol

Sabonete EucalolO imigrante judeu alemão Paulo Stern fundou, no Rio de Janeiro, em 1917, a empresa Correa da Silva & Cia Ltda. para vender essências. Após o fim da 1ª Guerra Mundial, seu irmão Ricardo Stern chegou ao Brasil e ingressou na sociedade.

Juntos, ampliaram as atividades e construíram uma nova fábrica, que foi inaugurada por volta de 1924. A Paulo Stern & Cia Ltda. incrementou a linha dos produtos por ela fabricados, lançando inicialmente o sabonete Eucalol.

Naquela época, os sabonetes disponíveis no mercado eram brancos ou rosa, mas o Eucalol, que tinha eucalipto como base, era na cor verde. A novidade causou certa rejeição e, como reflexo, poucas vendas. Em 1928, a empresa tentou seduzir o público com um concurso de poemas. Não funcionou como era esperado.

Os irmãos Stern, então, lembraram-se das estampas Liebig, que tanto sucesso faziam na Europa, e resolveram lançar as estampas Eucalol, convidando os consumidores a colecioná-las. Estimularam isso publicando anúncios na imprensa, em 1930.

Estampas Eucalol série 1 estampa 1O sucesso foi imediato. Crianças e adultos passaram a colecionar as figurinhas de cartolina, impulsionando as vendas e fazendo a empresa crescer. Em 1932, ingressou na sociedade o terceiro irmão, Erich Stern, e a empresa alterou a razão social para Perfumaria Myrta S/A. Foram emitidas diversas séries sobre variados temas. 

De 1930 a 1957, ano em que foram impressas as últimas estampas, foram abordados 54 temas, distribuídos em 2,4 mil estampas. Com informações no verso de cada figura, séries como História do Brasil e Lendas do Brasil foram usadas em escolas pelo Brasil afora como material didático. 

Outro tema que proporcionou belas estampas foi o das histórias infantis, como João e Maria, Branca de Neve e os Sete Anões, O Gato de Botas, A Gata Borralheira, Chapeuzinho Vermelho e A Bela Adormecida.

Em 1957, para reduzir custos e enfrentar a concorrência das multinacionais que se estabeleceram no Brasil, a Perfumaria Myrta encerrou a promoção.
O último tema divulgado foi Escotismo, cujos aficionados até hoje procuram pelas estampas. 

A empresa acabou não suportando a concorrência e, em 1978, foi vendida, tendo sua falência requerida em 1980. Fizeram parte da vida brasileira durante quase 30 anos, deixando marcada sua presença nas gerações que as vivenciaram, inclusive com colecionadores em vários outros países.
Paulo Grani.

Fonte: publicação no Facebook de Irineu Resende em 08/12/2018, indicando a imagem ter sido fornecida por: Paulo Roberto Grani.
Página criada em 08/12/2018.